Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Início do conteúdo da página

Professor do Campus Serra realiza estudo para desenvolver cadeira de rodas controlada por sinais cerebrais

Publicado: Sexta, 23 de Fevereiro de 2018, 09h02 | Última atualização em Sexta, 23 de Fevereiro de 2018, 09h03

O projeto é vinculado ao Mestrado Profissional em Engenharia de Controle e Automação, do Campus Serra.

 

 

Um professor do Campus Serra e um servidor do Campus Linhares, do Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), estão realizando estudos para o desenvolvimento de uma cadeira de rodas controlada por sinais cerebrais. O responsável pelo projeto é o professor Richard Junior Manuel Godinez, do Mestrado Profissional em Engenharia de Controle e Automação, do Campus Serra. O servidor de Linhares Luiz Soneghet Nascimento, que também é aluno do mestrado, participa do estudo, iniciado em janeiro deste ano, com previsão de 24 meses de duração.

A iniciativa conta ainda com colaboração de Teodiano Freire Bastos, professor de Engenharia Elétrica da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). O objetivo é criar um sistema eletrônico de baixo custo para a aquisição e processamento de sinais cerebrais, permitindo que pessoas que tenham perdido a capacidade de se locomover possam se movimentar e também se comunicar.

De acordo com Richard, essa movimentação é feita por meio de uma interface cérebro-computador para o controle de uma cadeira de rodas robotizada. Em muitos outros lugares no mundo, sistemas semelhantes já foram desenvolvido, mas o diferencial desta pesquisa é tentar utilizar a menor quantidade possível de eletrodos para a aquisição de sinais cerebrais que possam garantir uma melhor experiência e conforto para o usuário.

“O sistema pretende beneficiar pessoas que não possuem muitas condições financeiras e também instituições que promovem a inclusão, justamente por ser de baixo custo”, destacou. Entre os possíveis beneficiados estão pessoas com deficiências motoras ocasionadas por AVC, poliomielite, esclerose lateral amiotrófica (ELA), múltipla esclerose e síndrome de Gillain-Barré.

O projeto recebeu financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), por meio do edital do Programa Primeiros Projetos (PPP), lançado em agosto do ano passado. O aporte financeiro foi de R$ 19.450.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Reitoria

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página